terça-feira, 18 de junho de 2019

CTG Rincão da Alegria é o Campeão ENART Mirim e Juvenil FORÇA B!

O 1º ENART Pré-mirim, Mirim e Juvenil, aconteceu na cidade de Soledade nos dias 14,15 e 16 junho e o CTG Rincão da Alegria com a Invernada MIRIM trouxe para casa o Troféu 1º LUGAR  Danças Tradicionais Força B!!

E a cidade de Santa CRuz do Sul teve mais ganhadores na modalidade Danças Gaúchas de Salão MIRIM - o Par Gabriel Kothe Bartz  e Nicole Kohls do CTG Lanceiros de Santa Cruz conquistou o 2º Lugar!

O CTG Rincão da Alegria teve participação também da Invernada JUVENIL que se classificou na FORÇA A e o Par Gabriel L. Shulz e Nicole C. Woycieskoski que se classificaram em 12º lugar modalidade Danças Gaúchas de Salão entre os 15 melhores do estado.


PARABÉNS CTG RINCÃO DA ALEGRIA!!!!
1º Lugar  FORÇA B




Par Gabriel Kothe Bartz  e Nicole Kohls do CTG Lanceiros de Santa Cruz conquistou o 2º Lugar!

Par Gabriel L. Shulz e Nicole C. Woycieskoski - CTG Rincão da Alegria


segunda-feira, 3 de junho de 2019

Festa caipira não é festa Junina Gaúcha!

Mais um ano e mais uma vez acho necessário repetir um postagem  de um amigo JUAREZ NUNES DA SILVA - Historiador, escritor e tradicionalista ,feita em  10 de junho de 2014.

Pois chegando o mês de Junho vem as perguntas como fazer a Festa JUNINA no CTG, o que pode ou não.


"
 Festa caipira não é festa Junina Gaúcha!
Caipiras nas festas juninas do Rio Grande do Sul não fazem parte dos nossos usos e costumes
Do autor e de Paixão Cortês   /   JUAREZ NUNES DA SILVA - Historiador, escritor e tradicionalista

FESTA CAIPIRA NÃO É FESTA JUNINA GAÚCHA!
Em cada região do Brasil, as festividades juninas tem as suas particularidades. As festas caipiras têm origem em São Paulo e há uma devoção muito grande a São João (24), ao santo casamenteiro Santo Antonio (13) e ao responsável por guardar a chave do céu, São Pedro (29). São festas religiosas onde, no passado, se erguia um mastro nas casas ou nas comunidades, colocando-se uma imagem de um dos santos mais venerados.

No entanto, é comum no Rio Grande do Sul, festejar o mês de junho com festas típicas caipiras, que não têm nada a ver com a cultura gaúcha. Claro que são influências vicentinas  dos bandeirantes que por aqui passaram no início da colonização. O pior de tudo é que há uma ridicularização do caipira, mostrando um tipo humano pobre, com roupas rasgadas, remendadas, desdentados, com chapéus de palha esfiapados, as mulheres com pinturas extravagantes, com expressões cômicas - verdadeiros palhaços. Concluindo, um verdadeiro desrespeito com o caipira que vive no interior de São Paulo e Minas Gerais.

A nossa festa junina deve ser feita com os nossos trajes típicos, a pilcha gaúcha, sem remendos nas bombachas, sem pinturas no rosto, sem chapéu de palha, sem camisas enxadrezadas, etc. Temos a nossa culinária típica: arroz de carreteiro, paçoca de xarque e de pinhão, arroz doce, pratos com carne de ovelha, galinha encilhada, sapecada de pinhão e por que  não, o churrasco. Pipoca, batata-doce, rapadura de amendoim, pé de moleque, pão de ló e pão de milho, são pratos indispensáveis.

Ao invés de fazer um carnaval fora de época, baile e casamento caipira, por que não dançar o pezinho, o balaio, o maçanico ou então, as danças gaúchas de salão, sem fantasias? Há muitas brincadeiras que podem ser resgatadas, como o pau de sebo, a dança da batata, a corrida do saco, as corridas do casal, do bastão e da colher. Pode-se declamar, cantar, contar causos. As bebidas típicas são o quentão, o vinho, o pula-macaco, a concertada, o ponche e a jurupinga.

Quanto as fogueiras, hoje fica difícil acender  em locais citadinos, por questões de segurança. Mas, é uma tradição que vem dos povos do norte, comemorando a chegada da época das colheitas, coincidindo com o solstício do verão, representando a fixação e conservação da força do sol para espantar as calamidades e demônios.

O Santo mais venerado dos gaúchos é o São Pedro, padroeiro do Rio Grande do Sul, e a sua fogueira tem a base em triângulo. As fogueiras de Santo Antonio e de São João, têm as bases em forma de quadrado e circular, respectivamente.


O que é inaceitável,  são os professores incitarem os seus alunos a cometerem estas barbaridades culturais. Falta estudar mais sobre nós mesmos e impedir que a mídia dirija as manifestações culturais que são próprias de cada região do país. Lamentável!

Do autor e de Paixão Cortês   /   JUAREZ NUNES DA SILVA - Historiador, escritor e tradicionalista  "
http://chasquegauderio.blogspot.com/2014/06/festa-caipira-nao-e-festa-junina-gaucha.html

CURSO DE DANÇAS GAÚCHAS DE SALÃO - BÁSICO E AVANÇADO

     a Escola DAnça Tchê!! iniciará  um curso de Danças Gaúchas de Salão em Vila Arlindo -Venâncio Aires, em dois módulos - Básico e Avançado.

Inicio dia 16/junho às 18h no salão de Vila Arlindo.



quinta-feira, 23 de maio de 2019

MTG e Gestão de Prendas e Peões lançam campanha Tropeada Solidária

Fazer de cada CTG um núcleo transmissor da herança social e através da prática e divulgação dos hábitos locais, noção de valores, princípios morais, reações emocionais e criar em nossos grupos sociais uma unidade psicológica, com modos de agir e pensar coletivamente, valorizando e ajustando o homem ao meio, para a reação em conjunto frente aos problemas comuns.

Este é o objetivo da ação Tropeada Solidária, idealizado pelas Prendas e Peões do Rio Grande do Sul Gestão 2019 / 2020 e realizado pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho. Seu temário central é “Rio Grande do Sul de braços dados é mais forte”.

Na prática, cada entidade tradicionalista, cada participante do ENART Pré - Mirim, Mirim e Juvenil pode colaborar com um material de higiene (pasta de dentes, sabonetes, papel higiênico, material de limpeza, shampoo, sabão em pó, sabão de cozinha e etc), destinado a colaborar com uma instituição de caridade da cidade de Soledade ou região, atendendo ao disposto na Carta de Princípios do MTG, que estabelece os preceitos, deveres e direitos dos tradicionalistas, como uma maneira de cumprirmos também nossos deveres como cidadãos, pois a cultura, além de preservar o patrimônio material e imaterial do gaúcho, também se preocupa em manter viva a chama da solidariedade, uma dos valores mais nobres da humanidade.

Segundo Nairo Callegaro, presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, que a juventude consciente tendo vez e voz possa ser o agente de transformação social, colocando em prática os nossos princípio


segunda-feira, 20 de maio de 2019

Bento Gonçalves sediou, entre os dias 15 e 17 de maio de 2019, o 3º Congresso Estadual de Cultura.

     O evento que objetivou fomentar o debate junto às empresas financiadoras, produtores culturais, empreendedores, agentes de cultura, artistas e trabalhadores da área  uma rediscussão intensa das leis que subsidiam os editais e projetos.

                O evento foi transmitido pela Rádio Web Quero-quero.net durante a quinta (16) e sexta (17), por quase de 20 horas com pequenas interrupções para as refeições. O programa Identidade Gaúcha, apresentado de terça a quinta por Rogério Bastos e Liliane Pappen saiu do estúdio e foi para a Casa das Artes, em Bento, com programação pela manhã e tarde, cobrindo todos painéis e palestras.



           Na programação, o evento contou com mais de 30 palestrantes, 10 oficinas e apresentações artísticas. Teve a participação especial do secretário estadual de Cultura de Pernambuco, Gilberto Freyre Neto, que foi muito elogiado, além de ter custeado as despesas para participar do evento e dar seu testemunho do que é possível. As audiências públicas da Assembleia Legislativa e da Secretaria de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul, sobre as ações especiais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) completaram o conclave.



             O chamado sistema "S", por envolver Sesi, Sesc, Senac e Senai foram representados pelo ex-secretário da cultura, Vitor Hugo (SESI) e pelo Gerente Silvio Bento (SESC). O mediador foi o dedicadíssimo Secretário da Cultura de bento Gonçalves, Evandro Soares.



              Ana Luisa Fagundes, diretora de Economia criativa, da Secretaria de Estado da Cultura falou sobre os impactos da economia criativa. Paulo Waine – Gestor cultural e Luciano Ballen – Produtor Festival Música de Rua Caxias do Sul, completaram o painel.




          Outro painel que chamou a atenção foi o Financiamento de Espaços Culturais, que teve Emilio Kallil (Fundação Iberê Camargo),  Tarcisio Falconi da Cunha (CTG Porteira da Restinga) e Cristina da Rosa (Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo).  A mediação foi de Rafael Ban Jacobsen – Presidente da Academia Rio-grandense de Letras. Ao final houve uma intervenção artística: "Performance de afirmação negra em honra a ancestralidade", com Indiara Tainan e Thiago D’Ossanha.



         O Painel: "a ausência de financiamento", teve como painelistas Luciano Fernandes (Presidente da Associação do Circo), Patrick Costa (Presidente do SINDIMUS), Fábio Cunha (Presidente do SATED) com a mediação de Marcelo Mugnol, do Jornal Pioneiro. Audiência Pública com as Ações Especiais do FAC teve a condução de Carmem Langaro e Rafael Balle (na foto abaixo, ao lado do maestro André Munari).


         Os Grupos de Trabalho (GTs) ocuparam salas do hotel DAll'Onder, para debater os assuntos que foram , na parte final, para a audiência pública com a Assembleia legislativa.


       GT 1 – Lei de Incentivo a Cultura do RS
Mediadores: Marlise Machado, Jorge Stocker Jr.,  José Edil de Lima Alves, Rogério Bastos.

      GT 2 – Fundo de Apoio à Cultura FAC
Mediadores: Moreno Brasil,  Airton Ortiz, Ivo Benfato, Otávio Capoano.


       GT 3 – Ações especiais do FAC
Mediadores: Marcelo Restori, Gisele Meyer, Paula Simon Ribeiro, Luis Antônio Pereira.

      GT 4 – O financiamento nos Municípios
Mediadores: Marco Aurélio Alves, Joyce Reis, Paulo Campos de Campos, Liana Richter.
   As atividades do dia terminaram após o espetáculo: "Bela, Eu Feroz" - uma metáfora de nós mesmos.


              Na manhã de sexta, 17, ainda com transmissão ao vivo pela rádio web Quero-quero.net, o painel: "Os Grandes Eventos e seu Financiamento" com Iara Sartori (Festival de Cinema de Gramado – Gramadotur), Nairoli Callegaro (MTG/ENART) e Jussara  Rodrigues (Feira do Livro de Porto Alegre). Teve a mediação do jornalista, ex-vice governador e atual Presidente da Fundação do Theatro São Pedro, Antônio Hohlfeldt.



         Um painel, muito esperado foi  "O Município e a Cultura". Este contou com a presença de Marcos André Piaia – Prefeito de Barra Funda, Josias Trento – Secretário de Cultura de Marau e do deputado estadual Sebastião Mello, com a mediação do Prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pazzin.

         Piaia disse que a cidade respira cultura e que todo investimento feito tem retorno rápido e, acima de tudo a satisfação da comunidade. "Investir em cultura diminui os custos em saúde, educação e segurança. Basta gerir os recursos" - afirmou.



           Com a mediação de Alexandre Lucchese – Editor de Cultura de ZH, Beatriz Araújo – Secretária de Cultura do RS e Gilberto Freire Neto – Secretário de Pernambuco falaram sobre "O Estado Financiador de Políticas Públicas".



          Por fim, os Grupos de Trabalho redigiram as manifestações e reivindicações dos diversos setores em relação ao financiamento de cultura do estado do Rio Grande do Sul para apresentar na "Audiência Pública da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa do RS", com a presença da Deputada Estadual Sophia Cavedon (PT) e do Deputado Estadual Sebastião Mello (MDB), da Secretária de Estado da Cultura Beatriz Araújo, do Presidente do Conselho Estadual de Cultura, Marco Aurelio Alves, do Secretário Municipal de Cultura de Bento Gonçalves, Evandro Soares e do Diretor de Incentivo à Produção Cultural, do Ministério da Cidadania - Odecir Luiz Prata da Costa. 

    O Congresso Estadual de Cultura reuniu grandes pensadores da cultura no estado como artistas, produtores, políticos, financiadores, fazedores de cultura e gestores culturais. Todos com o objetivo de buscar algum tipo de solução para o setor. A divergência de ideias, até mesmo quando se refere ao valor percentual investido pelo patrocinador na LIC (25%), de passar para 10%, foi motivo de muito debate. Perdeu quem não compareceu ao evento. Quem não discutiu e não apresentou sugestões de solução.


     A classe artística e gestores começam a tentar se situar neste novo cenário que o Conselho Estadual de Cultura ofereceu, através de um Congresso, que teve debates em diversas cidades do Rio Grande do Sul antes de chegar em Bento Gonçalves. Apesar do tempo parecer ter sido pouco para tanta ideia, inclusive com o exemplo da Secretaria de Cultura de Pernambuco (case de sucesso) que explanou seu funcionamento, Marco Aurélio Alves classificou como positivo o conclave estadual: "Promovemos o diálogo, não deixamos as decisões fechadas em gabinetes e deixamos o setor inquieto, buscando soluções. Se em época de crise a solução é criar, então, como disse nosso palestrante na abertura (Werner Schünemann,) vamos criar as condições para sair dela" - comemorou Alves.


     O prêmio "Movimento" será lançado no segundo semestre de 2019 - terá porte de R$ 200.000,00 - obtidos através de parceria com a iniciativa privada. "Um edital, no valor de R$ 3.000.000,00 será lançado pela Secretaria de Cultura, em junho, e deve contemplar amplo segmento da área cultural" - disse Ana Fagundes, diretora de Economia Criativa da Sedac.


Rogério Bastos – Assessoria Especial para eventos
Conselho Estadual de Cultura/RS
51 997658699

Jantar Baile Dos Namorados E Formatura Do Curso De Dança no CTG Tropeiros da Amizade - SCS


5º Fandango a Moda Antiga - CTG Rincão da Alegria